segunda-feira, 27 de junho de 2016

curtíssimo roteiro para um curta breve



alice dá um chute no elefante com seu pesinho elegante olha o verde azul vermelho amarelo a multicor do seu brinquedo tema do samba enredo da mocidade independente de padre olivácio no sambódromo onde rasguei a flor do láscio.
 macabea não sabendo o que fazer depois de rejeitada na programação do quarta capa se enfia na sala de artes cínicas d0 presídio federal de brazilírica mas não consegue entender clarice nem a paixão segundo GH.
 em mar de fogo me registro. mariana olha-me através do espelho do quarto do motel com olhos de vaca no cio. na calçada caio fernando me diz que os dragões não visitam o paraíso e o sangue escorre do seu pulso até o chão de uma cidade de palha

Jura secreta 13
o tecido do amor já esgarçamos
em quantos outubros nos gozamos
agora que palavro itaocaras
e persigo outras ilhas
na carne crua do teu corpo
amanheço alfabeto grafitemas
quantas marés endoidecemos
e aramaico permaneço doido e lírico
em tudo mais que me negasse
flor de lótus flor de cactos flor de lírios
ou mesmo sexo sendo flor ou faca fosse
hilda hilst quando então se me amasse
ardendo em nós salgado mar
e olga risse
olhando em nós
flechas de fogo se existisse
por onde quer que eu te cantasse
ou amavisse
 não conseguia entender como silvinha fora parar em são josé do rio preto se lá não havia escola de dança e letras do ibilce. não estava em cogitação quando em dracena foi fazer a prova dos nove. bia continuava em ribeirão com o namorado que rasgava poemas de amor alheio. não tinha como deixar a república ou se instalar na casa dos avós em jardiNÓpolis onde cresceram as noites de amor e jabuticabas ouvindo estórias de newton no bar do chico.

haviávamos acabado de rasgar mais uma vez os retalhos nos porões da casa guignard em ouro preto era 95 e no lance de dados deu 5 e as crianças são testemunhas  marllarmè passou por aqui. nirvana veio até a mim e me disse que queria dançar o cântico dos cânticos ao som da minha voz de coice.  federika pela primeira vez subiu nas paredes como uma lagartixa quando  busca algum mosquito para matar a fome.

gravei uma fita cassete e mandei para campinas onde na unicampi orientada por marília de andrade nirvana fazia mestrado em dança contemporânea para desvendar os fragmentos corporais de pina baush (Philippine Bausch, mais conhecida como Pina Bausch.
 era uma noite de julho  e em setembro invadimos são paulo com a voz do poeta e o corpo da bailarina
 “saibam quantos estes meus versos virem que te amo do amor maior que possível for toma conta do sol toma conta da terra toma conta do mar toma conta de mim maria antonieta d´alkmim” 
depois do amor me registro com os Retalhos Imortais do SerAfim – porque Oswald de aAndrade Nada Sabia de Mim.

federico baudelaire - viagens insanas

Nenhum comentário:

Postar um comentário