terça-feira, 11 de janeiro de 2011

federika sacana

césar castro - grafismo

estava eu lá na urca
a ex-amante turca
na avenida atlântica
pesseava nua
entre o mar e a rua
exibindo a tatuagem
entre tuas coxas
uma lua vermelha
incendiava meus olhos
afogados na miragem

pensei então a viagem as montanhas de ouro preto fugir pras outras minas me internar na casas dos contos mas não conto como foi o encontro logo depois copacabana federika a sacana me marcava sob pressão me olhava pelas bandas e ainda nem era carnaval da mocidade mas seu vestido rendado de baiana do pelourinho me desviou do caminho que eu tinha pro campo grande

macabea nunca entendeu porque não uso ponto vígula dois pontos ponto e vírgula reticências parênteses aspas nem antes ou depois da frase feita voc^^e só pensa em grana meu amor pensava eu uma canção do zeca baleiro enquanto lia lavoura arcaica que analice me deu de presente depois do doutorado era 97 e no lance de dados deu 7 no presídio federal das artes cínicas macabea destilava um copo de cólera entre as paredes e o concreto na mais profunda solidão



você só pensa em grana
zeca baleiro

Você só pensa em grana meu amor
Você só quer saber
Quanto custou a minha roupa
Custou a minha roupa

Você só quer saber quando que eu vou
Trocar meu carro novo
Por um novo carro novo
Um novo carro novo meu amor

Você rasga os poemas que eu te dou
Mas nunca vi você rasgar dinheiro
Você vai me jurar eterno amor
Se eu comprar um dia o mundo inteiro

Quando eu nasci um anjo só baixou
Falou que eu seria um executivo
E desde então eu vivo com meu banjo
Executando os rocks do meu livro
Pisando em falso com meus panos quentes
Enquanto você ri no seu conforto
Enquanto você me fala entre dentes
Poeta bom meu bem poeta morto.

Você só pensa em grana meu amor
Você só quer saber
Quanto custou a minha roupa
Custou a minha roupa

Você só quer saber quando que eu vou
Trocar meu carro novo
Por um novo carro novo
Um novo carro novo meu amor

Você rasga os poemas que eu te dou
Mas nunca vi você rasgar dinheiro
Você vai me jurar eterno amor
Se eu comprar um dia o mundo inteiro

Quando eu nasci um anjo só baixou
Falou que eu seria um executivo
E desde então eu vivo com meu banjo
Executando os rocks do meu livro
Pisando em falso com meus panos quentes
Enquanto você ri no seu conforto
Enquanto você me fala entre dentes
Poeta bom meu bem poeta morto.
Poeta bom meu bem poeta morto.
Poeta bom meu bem poeta morto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário