quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Familiares de vítimas da ditadura pedem a Lula um 'Wikileaks brasileiro'

Por: Anselmo Massad, Rede Brasil Atual


São Paulo – Um "Wikileaks brasileiro" é uma das formas que familiares de vítimas da ditadura militar no país usaram para expressar a demanda de abertura dos arquivos mantidos pelas Forças Armadas sobre o período. Após a divulgação, na terça-feira (14), da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos condenando o Brasil por não investigar os crimes cometidos pelo Estado na repressão à guerrilha do Araguaia, os peticionários consideram reaberto o debate sobre o direito à informação e à verdade.

"O Lula elogiou o Wikileaks. Por que não abre o nosso wikileaks?", disparou Criméia Almeida, da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos, atualmente com 63 anos, companheira de André Grabois, morto no Araguaia. Ela revela ter recebido com satisfação a sentença da Corte, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA).

A declaração de Criméia faz alusão ao site que vazou documentos secretos do governo dos Estados Unidos. Ela ironizou a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendeu a iniciativa por duas vezes na última semana, alegando defesa da liberdade de expressão e de imprensa.

A crítica direta ao governo Lula deve-se ao fato de que a gestão dele não promoveu, a exemplo dos governos civis anteriores, qualquer forma de investigação efetiva ou abertura de arquivos da Ditadura.

A representante da Comissão participou, na manhã desta quarta-feira (15), de uma entrevista coletiva em São Paulo ao lado de membros dos dois demais peticionários da ação, que tramitou na Corte por 15 anos. O Grupo Tortura Nunca Mais e o Centro Pela Justiça e o Direito Internacional (Cejil) assinaram o pedido com base em acordos internacionais firmados pelo país em 1992 e no reconhecimento da instância em 1998.

Leia também:

OEA condena Brasil por não punir crimes cometidos na repressão à Guerrilha do Araguaia
Vannuchi não vê surpresa em condenação do Brasil na OEA

Para ativista, sentença da OEA para crimes da ditadura pode reabrir debate no país
OEA emite até próxima semana sentença sobre crimes da ditadura brasileira
Governo adia decisão sobre Comissão da Verdade
Bolsonaro: Dilma é 'Joana d'Arc' e 'mentora de terrorismo'

Nenhum comentário:

Postar um comentário