domingo, 31 de outubro de 2010

"É o fim da era Roriz", diz senador reeleito Cristovam Buarque




sobre eleições no DF
Camila Campanerut Do UOL Eleições
Em Brasília

O governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT)

O senador reeleito Cristovam Buarque (PDT-DF) comemorou na noite deste domingo (31), em um hotel em Brasília, a vitória do coligado petista Agnelo Queiroz como governador do Distrito Federal, com 66,1% dos votos válidos, contra 33,9% de Weslian Roriz (PSC).


“É o fim da era Roriz. [A Lei da] Ficha Limpa veio e definiu o fim da era Roriz”, afirmou o pedetista a espera do candidato vencedor que fará seu primeiro pronunciamento.


Questionado sobre se a expectativa de abstenção, por causa do feriado, causou algum temor na coligação “Novo Caminho”, Buarque disse que não havia dúvida com relação à vitória, apenas a preocupação “com a diferença [entre os candidatos] que poderia ser menor”.


Weslian Roriz é mulher de Joaquim Roriz (PSC) que governou o DF por 14 anos. Roriz desistiu após o empate na decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que definiria se a candidatura dele seria rejeitada pela nova Lei da Ficha Limpa. A lei o enquadrou por ter renunciado ao cargo de senador em 2007 para fugir de possível cassação. Com a desistência, Weslian substituiu o marido no pleito e ainda chegou ao segundo turno com o ex-ministro petista.
Eleição

Depois de uma eleição tumultuada, até com troca de candidato, Queiroz foi eleito o novo governador do Distrito Federal com 66,1% dos votos válidos (que excluem brancos e nulos). Seu vice é o deputado Tadeu Filippelli, do PMDB, ex-integrante do governo de Roriz.

Weslian Roriz recebeu 33,9% dos votos válidos. A abstenção foi de 19,31%. Votos nulos foram 7,38% e brancos, 3,11%.

Durante todo o segundo turno, Agnelo ficou à frente nas pesquisas, contando com o apoio do presidente Lula, da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, e dos partidos PMDB, PDT, PSB, PC do B, PRP, PPS, PHS, PTC, PRB e PTB, integrantes de sua coligação, além do PV, que no segundo turno anunciou apoio ao petista.

Dados do governador eleito
Nome
Agnelo Santos Queiroz Filho
Data de nascimento
09/11/1958
Escolaridade
Superior Completo
Ocupação
Médico
Patrimônio
R$ 1.150.322,00


Filiado ao PT desde 2008, esta foi a primeira vez que Agnelo disputou o governo do Distrito Federal. Antes, pelo PCdoB, foi deputado distrital por três mandatos (1990-1994,1994-1998, 1998-2000) e ministro do Esporte do governo Lula, em 2003, cargo do qual se desincompatibilizou em 2006, para disputar uma vaga no Senado. Acabou não eleito. Em 2007, foi diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

A campanha

A campanha local no segundo turno foi marcada por um duelo de promessas que mais pareciam “pacotes de bondade”, mais de 20 ações nos tribunais eleitorais, segundo o TRE-DF (Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal)- e a falta de debate político entre os dois candidatos.

Com a ausência da adversária na maioria dos debates promovidos no segundo turno, Agnelo teve mais tempo para apresentar suas propostas ao eleitorado no segundo turno.

Weslian entrou na disputa do DF depois que o STF (Supremo Tribunal Federal) chegou a um empate no recurso encaminhado pela defesa de Joaquim Roriz, questionando o indeferimento de sua candidatura, barrada com base na Lei da Ficha Limpa pelo TRE-DF (Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal) e pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Com o impasse no STF,

Roriz renunciou e lançou, em seu lugar, pouco mais de uma semana antes da votação do primeiro turno, a candidatura da mulher, que nunca havia disputado um cargo público.

Principais propostas

Construir Unidades de Pronto Atendimento, implantar o Saúde da Família em todo o DF e recuperar os públicos

Integrar o sistema de transporte público da cidade, implantar um sistema de bilhete único ágil e barato, completar a linha do metrô que chega a Ceilândia e estender o metrô até o fim da Asa Norte

Universalizar creches para as crianças de 0 a 3 anos e a educação para crianças de 4 e 5 anos; educação integral nas escolas públicas; criar a Universidade Distrital e ampliar escolas técnicas
Criar as rondas ostensivas e aumentar o patrulhamento das ruas do DF
Regularizar os condomínios residenciais e construir ao menos 100 mil unidades habitacionais

A campanha da candidata do PSC lançou propostas curiosas, como a promessa de anistiar as multas aplicadas até o dia 30 de setembro, e gerou polêmica na TV ao exibir um trecho de um vídeo do padre José Augusto, exibido na Canção Nova, pedindo aos fiéis para não votarem no PT e afirmando que o partido era favorável ao aborto.

Tanto a promessa quanto a declaração foram levadas à Justiça pela coligação de Agnelo, que chegou a pedir a cassação de Weslian, alegando que a promessa de anistiar multas era o equivalente a compra de votos. Outras dezenas de representações, de ambos os lados, foram encaminhadas ao TRE-DF.

Com relação aos aliados políticos, Agnelo conquistou o apoio do PV do DF, enquanto Weslian fez aliança com oito partidos, entre eles o DEM, do governador cassado José Roberto Arruda, e o PSDB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário