segunda-feira, 29 de junho de 2009










Pornofônico Confesso

se este poema inocente
primitivo natural indecente
em teu pulsar navegante
entrar por tua boca entre dentes
espero que não se zangue
se misturar o meu sangue
em teu pensar quando antropo
por todas bocas do corpo
em total porno grafia
na sagração da mulher
me diga deusa da orgia
se também tu não me quer
quando em ti lateja e devora
palavra por palavra dentro e fora
em pornofonia sonora
me diga lady senhora
nestes teus setenta anos
se nunca gozou pelos ânus
me diga bia de dora
num plano lítero/estético
qual o humano ou cibernético
que te masturba ou te deflora?


o que trago embaixo as solas dos sapatos
é fato
bagana acesa sobra do cigarro
é sarro
dentro do carro ainda ouço Jimmi Hendrix
quando quero
dancei bolero
sampleAndo rock and roll
pra colher lírios há que se por o pé na lama
a seda pura é foto síntese do papel
tem flor de lótus nos bordéis Copacabana
procuro um mix da guitarra de Santanna
com os espinhos da Rosa de Noel

Artur Gomes



Um comentário:

  1. Pornofônico confesso, muito !
    As palavras quase que saltam da tela... vibrante!

    Beijos!

    ResponderExcluir